27 dezembro 2005



A partida, pelas 7:45 no Barreiro abria o dia. Até aí o sonambulismo conduzia-me mudo. Uma busca apressada pelas cabeças que me rodeiam marca o despertar. Já tinham entrado e esperavam-me na varanda. Alguns conheço há anos, outros apareceram ontem conhecidos de um conhecido, hoje amigos, mas todos nós passageiros daquela varanda de sol sobre o tejo.

Lá dentro, os bancos corridos costas com costas e um átrio de entrada transformado em mesa de sueca, ajudaram a marcar uma época em que o longo e majestoso percurso entre margens era suavizado pela companhia.

Pela tarde, já depois das seis, encontro marcado na rua do crucifixo, junto à boca do metro. Após um passeio mais ou menos apressado, são tantas as vezes que o estômago nos impele para um salgado ou um gelado consoante a temperatura, a varanda espera-nos novamente. O grupo muda de viagem para viagem, a conversa é a mesma de sempre.

Este ritual terminou com a chegada das novas embarcações. Sem varanda, com todas as cadeiras alinhadas com a proa, o conforto agora sobrepõe-se ao convívio.

Não encontro entre o meu ror de defeitos o saudosismo, mas que o progresso tem uma certa tendência em retirar o sal dos dias parece-me pouco discutível.

12 dezembro 2005




Eh! Companheiro vou falar
vou falar do meu parecer
Vira o vento muda a sorte
toda a vida ouvi dizer
soprou muita ventania
não vi a sorte crescer
meu destino e sempre o mesmo
desde moço até morrer

Eh! Companheiro aqui estou
aqui estou p'ra responder
Sorte assim não cresce a toa
como urtiga por colher
cresce nas vinhas do povo
leva tempo a amadur'cer
quando mudar seu destino
está ao alcance de um viver

Sergio Godinho

in "Margem de Certa Maneira", José Mário Branco, 1982

22 novembro 2005



antes de sepultar o dia, saímos da toca pelo traço do siza, e percorrendo o quadriculado pombalino em procissão descendente, chegamos à praça onde o sol se funde com a maresia

09 novembro 2005



Deambulou pelas horas entre neblina e as ruas estreitas que se atravessaram abruptamente no seu caminho. Não ladrou ao cão nem bebeu café, afastou o cabelo dos olhos, sorriu a uma sarjeta e rasgou o papel de parede. Subiu a colina, passou pelas flores, pelo guarda freio e abrandou junto ao Julião. Pedro chora abundantemente, ata o sapato, aperta a gravata e entrega o cata-vento. Retém-se poucos minutos, e sai veloz pela força do odor a churros e farturas que em dia de finados teima em parar à porta do cemitério.

05 outubro 2005



Vivo em Lisboa
Tu conheces-me bem
Também eu tenho um lugar reservado
Neste eterno vaivém
Sou mais um cartão numerado
Que a cidade retém

in "Vivo em Lisboa", Jorge Palma

02 outubro 2005



caminhamos ainda
sabemos que deixou de haver tempo para nos olharmos
a fugo só é possível para dentro dos fragmentados corpos
e um dia... quem sabe?
chegaremos

in "O Medo", de Al Berto

20 agosto 2005



pedro passava as tardes à mesa de um bar, entre um café e um maço de cigarros. de poucas palavras entre a verborreia alheia que discorre habitualmente sobre nada, pedro respirava lentamente o calor estival enquanto os temas se iam repetindo dolorosamente. Naquele dia em particular, o seu silencio era mais compacto, a sua respiração mais profunda e nem adoçou o café. Naquele momento falou-se de fortunas alheias, alguém invejou os pertences de outrem, e um terceiro fanfarronou sobre si, e o que faria rico. pedro respirou mais fundo e levantou-se.

- vou bulir

a conversa continuou indiferente.

pedro passa as noites à mesa de um bar, entre um café e um maço de cigarros. de poucas palavras entre a verborreia alheia que discorre habitualmente sobre nada.

09 agosto 2005


Para a maioria dos comunistas, e não só, que visitam a festa do Avante!, esta ocupa apenas 3 dias do início de Setembro. Para alguns ocupa também alguns fins de semana em Agosto. Para muito poucos dura todo o Verão.

01 agosto 2005


O Banho Santo

Na freguesia de S. Bartolomeu do Mar, em Esposende, realiza-se todos os anos no dia 24 de Agosto, dia dedicado ao santo que os populares acreditam ser capaz de apanhar o Diabo. Os milhares de pessoas que ali acorrem, respeitando a tradição que diz que o banho nas águas geladas do Atlântico expulsa o Diabo do corpo.

09 junho 2005


ao fim de semana jogam de manhã cedo...


... e durante a semana treinam à noite.

nenhum ultrapassa os 12 anos de idade, e jogam com uma alegria imensa
própria de quem está ali pelo simples prazer de apenas jogar futebol.

23 maio 2005



"Men of good fortune, often cause empires to fall
While men of poor beginnings, often can't do anything at all
The rich son waits for his father to die
The poor just drink and cry
And me I just don't care at all"


men of good fortune, lou reed